A 1ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), em São Paulo, concluiu o inquérito policial que investigava o ex-BBB Felipe Prior. O arquiteto é acusado de abusar sexualmente de três mulheres entre 2014 e 2018. A investigação tramitou em sigilo de Justiça até que a delegada responsável pelo caso resolveu não indiciá-lo. 

O inquérito, agora, vai seguir para o Ministério Público (MP), que pode apresentar denúncia contra Prior ou, ainda, arquivar o caso. De acordo com as denúncias, os abusos vieram a público somente em abril, pois, as supostas vítimas não teriam registrado boletim de ocorrência na época por vergonha. 

A história veio a tona quando Prior foi eliminado de um reality show, porém, ainda durante sua participação, as atitudes e posições do arquiteto em relação às mulheres do programa ganharam repercussão negativa nas redes sociais. Em uma publicação na internet, um internauta postou a imagem de Felipe apontando o dedo no rosto de uma participante e escreveu: "Não tem justificativa para o machismo"

Assim que saiu do reality, Prior publicou um vídeo alegando não ter cometido nenhum abuso. Ele ainda agradeceu o carinho dos fãs e disse que seus advogados estão tomando "todas as providências". "Sou inocente, sou inocente [...] minha consciência tá muito tranquila", afirma. 


Curta nossa página