Meio-dia do sábado, 29 de setembro de 2012, quando a vinheta do plantão do SBT Brasil interrompeu a programação. “Hebe Camargo morreu hoje de madrugada de parada cardiorrespiratória”, informou a repórter Patrícia Rocha. “A apresentadora Hebe Camargo lutava contra um câncer no peritônio e estava sob cuidados médicos. A rainha da televisão brasileira havia acabado de acertar a volta ao SBT.”, completou.




O retorno à emissora do coração, onde reinou por 24 anos (de abril de 1986 a dezembro de 2010), não foi concretizado, mas serviu como último presente para a grande dama da TV. Em suas últimas horas de vida, ela festejou a sonhada reestreia no canal onde se consagrou ao atingir o primeiro lugar de audiência várias vezes, superando a poderosa Globo. Não teve tempo de pisar novamente nos estúdios de Silvio Santos, porém deve ter partido feliz por pertencer novamente ao SBT, sua casa.




Muito antes de a doença que a matou surgir, uma pergunta que deixava todos no universo da televisão com a pulga atrás da orelha era: "Quem será a futura Hebe?" A apresentadora foi inúmeras vezes questionada a respeito. A imprensa insistia para que ela nomeasse uma sucessora. A estrela apontava talentos, dizia-se admiradora desta e daquela, mas nunca indicou oficialmente uma herdeira de seu microfone e do sofá. Na mídia, falou-se em Eliana, Marília Gabriela, Adriane Galisteu, Astrid Fontenelle, Patrícia Abravanel, Ana Hickmann.




A minissérie Hebe, que terá seu último episódio exibido nesta quinta-feira (01/10), na Globo, fez os fãs antigos relembrarem e revelou às novas gerações que ela foi muito mais do que apresentadora de entretenimento. Fez-se uma das mais importantes vozes do País na luta contra preconceitos e a corrupção sistêmica na política. Enfrentou a Censura da ditadura militar e o corporativismo parlamentar na redemocratização. Mesmo sendo parte da elite e conservadora em alguns aspectos, deu imensurável contribuição a pautas progressistas.




Jamais, antes e depois dela, houve outra comunicadora tão destemida, ousada e engajada. Nem se viu em uma única apresentadora tamanha explosão de sentimentos diante das câmeras: da alegria marota ao choro de emoção ou revolta, da empatia à fúria em defesa do povo. Os arquivos de TV e os vídeos disponíveis na internet provam que o estilo, o humor e o discurso de Hebe Camargo não envelheceram. Mesmo ausente, a maior dama da comunicação brasileira continua relevante, inigualável, insubstituível. O trono está vazio, e pelo visto assim permanecerá.



Curta nossa página