Primeiro programa fala sobre a ‘Curva da Felicidade’ e tem Marcus Caruso, João Côrtes, Luis Miranda e Welder Rodrigues

Angélica não vê a hora de reencontrar seu público em ‘Simples Assim’. E esse momento tão aguardado acontece neste sábado, 10 de outubro, depois de ‘Toma Lá da Cá’. O primeiro programa, que tem supervisão de direção de LP Simonetti e direção geral de Geninho Simonetti, terá como tema ‘A Curva da Felicidade’, foi construído com base em diferentes estudos e foi gravado antes da crise sanitária provocada pelo novo coronavírus. Em uma dinâmica, os convidados, de diferentes faixas etárias, vão contar suas experiências para mostrar por que os mais jovens e os mais velhos estão na extremidade da curva, em uma posição mais confortável perante àqueles com idade média entre 35 e 50 anos, que segundo o estudo, estão na fase mais crítica da vida. Angélica também terá a ajuda das animações, de Bianca Mól, para decodificar esses dados e pesquisas.

No quadro ‘Dilemas da Vida Real’, Angélica recebe no palco do programa, o casal Roberto e Marcia, que estão juntos há mais de 30 anos, e, apesar de casados, moram em cidades diferentes há 23 anos. Os dois agora querem voltar a viver juntos, mas terão que decidir entre a São Paulo, de Roberto, e a Franca, de Márcia. Onde eles poderão ser mais felizes? Um tentará convencer o outro e familiares e amigos entraram na conversa para ajudá-los a decidir.

Nos esquetes, Marcos Caruso e João Côrtes contracenam com Angélica no primeiro, e, Luis Miranda e Welder Rodrigues, no segundo. Após a exibição de cada um deles, a apresentadora conversa com os atores, já despidos de seus personagens, sobre o tema do programa. O papo com Marcos e João já está disponível na íntegra no podcast ‘Simples Assim’, e o com Luis e Welder entra no ar assim que a atração entrar no ar. Ouça o primeiro agora em https://glo.bo/3nvlJzU e nos principais aplicativos de música e podcast, como Spotify, Deezer, Google Podcasts, Apple Podcasts e Castbox. Neles, o ouvinte poderá baixar os episódios para ouvir quando e onde quiser e também assinar os feeds para saber quando uma nova edição entrar no ar. Mais informações: gshow.com/podcasts.

Um momento que promete provocar uma autorreflexão em quem participa, mas também em quem assiste, encerra o primeiro ‘Simples Assim’. Com histórias de pessoas anônimas, de diferentes gêneros e faixas etárias, que aceitaram o convite de Angélica de responder qual conselho dariam para si mesmas. “O programa vai trazer uma Angélica aprendiz, curiosa, mais ouvinte do que nunca. Uma Angélica que terá o aprendizado dos caminhos que as pessoas estão tomando para serem felizes, junto com o público. Além disso, vai relembrar um pouco algo que ela sabe fazer bem, que é atuar, e ainda vai deixar uma pulguinha atrás da orelha das pessoas que assistirem ao programa. E vai mostrar que todo mundo pode ter a condição de aprendiz, de olhar e criar identificação. Só quem cria a identificação se iguala”, aposta o diretor Geninho Simonetti.


Confira abaixo a entrevista de Angélica sobre seu novo projeto:


Natural da cidade de Santo André, em São Paulo, onde nasceu em 30 de novembro de 1973, Angélica Ksyvickis cresceu, sob os olhos do público, dentro da TV. Aos quatro anos, foi descoberta por Chacrinha e venceu o concurso “A criança mais bonita do Brasil”, dentro do programa dele, o então ‘Cassino do Chacrinha’, na Bandeirantes. Até o início dos anos 1980, seguiu fazendo desfiles, comerciais de TV e pequenas participações em programas de dramaturgia, inclusive da Globo, como a minissérie ‘Avenida Paulista’ (1982), de Daniel Más e Leilah Assumpção. Aos 12 anos, estreou na apresentação no programa infantil ‘Nave da Fantasia’ (1985), na TV Manchete. No ano seguinte, substituiu Lucinha Lins e Claudio Tovar na grade da emissora, que retomou, com a sua chegada, o ‘Clube da Criança’. Foi a época em que ela lançou o hit ‘Vou de Táxi’, que tocou sem parar por todo o país. E foi como atriz que Angélica estreou na Globo, em uma participação no humorístico ‘Sai de Baixo’ (1996). No mesmo ano, comandou o infantojuvenil ‘Angel Mix’, onde, além de apresentar, atuava com a Fada Bela, protagonista da novelinha ecológica ‘Flora Encantada’. O programa deu lugar ao ‘Bambuluá’ (2000), em que Angélica consolidou-se, não apenas como apresentadora, mas também como atriz. Em 2001, passou a comandar o quadro ‘Vídeo Game’, do programa ‘Vídeo Show’, e, no mesmo ano e em 2002, acumulou a função ao apresentar o reality show ‘Fama’. Em 2006, nasceu o ‘Estrelas’, programa que liderou até 2018. 


Qual o significado desse programa para você? 

Esse programa representa o momento atual da minha vida, as minhas buscas e, principalmente, os meus aprendizados. Hoje, eu quero dividir com o público aquilo que me faz bem. Sempre recebi muito carinho dos fãs, que me acompanham há muito tempo. Atingir positivamente uma, duas pessoas ou três milhões é o meu desejo no momento. 


Como você conceituaria o ‘Simples Assim’?

A ideia do programa é fazer bem às pessoas, ser uma companhia para elas e propor a reflexão. Espero que cada um que assista se sinta acolhido. Através dos temas que escolhemos mostrar, o que buscamos é a identificação, trazer as pessoas para dentro do programa, mesmo que elas estejam do outro lado da tela. Que façam parte daquelas histórias e se identifiquem nas alegrias, nas angústias. Assuntos que, no fundo, são iguais para todo mundo. E, porque não, tentar ajudar para que as pessoas não apenas se enxerguem ali, mas também enxerguem o outro, com um olhar de empatia, sem julgamentos.


Que Angélica que o público vai reencontrar no programa?

Olha, é a Angélica que o público já conhece, mas uma Angélica mais feliz, mais inteira e no papel de aprendiz. Como eu comecei muito cedo, sempre tive uma trajetória acompanhada por todos, e de forma muito espontânea. As coisas que aconteceram na minha vida eram transmitidas através da televisão, sem personagem, mas agora tem uma Angélica mais segura do que está fazendo, que teve um tempo para se planejar, para escolher, decidir sobre esse novo "filho" que está nascendo. A alegria e o prazer que batem quando você tem tempo para fazer as coisas são muito maiores, e a gente fica mais inteiro naquilo. 


Os fãs aguardavam ansiosos sua volta. Feliz com o reencontro?

Estou muito feliz de voltar, de estar de volta à televisão e também estou com muita saudade. Esse tempo que a gente deu, essa pequena distância, foi muito legal e fundamental para aumentar a vontade de estarmos juntos de novo.




Curta nossa página